FOTOK

“O sapato amarelo (ou K encontra Paludes)”, o mais recente livro de Marcus Alves, sociólogo e poeta, será lançado nesta quarta-feira (22), às 19h, no Memorial Augusto dos Anjos, no município de Sapé (PB), durante a abertura do Agosto das Letras, promovido pela Prefeitura de Sapé, por meio da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Turismo.

“É um livro sobre um personagem à procura de um objeto de desejo: um par de sapatos amarelo. Na verdade, ele persegue o próprio sentido de sua vida”. É assim que Marcus Alves descreve a sua obra, “K encontra Paludes”, publicado pela editora Cartonera Aberta e Editora do CCTA/UFPB.

O livro “O Sapato amarelo (ou K Encontra Paludes) é a terceira obra literária de Marcus Alves. A primeira foi “O Eterno e o Provisório”, seguida de “Arqueologia”.  Os dois livros de poesia, nos quais o autor tematiza situações urbanas, angústias do homem contemporâneo – com seus dilemas e desafios, perdas de amores e de sentidos. Agora, com “K encontra Paludes”, Marcus Alves conta que incursiona por meio de uma novela na qual criar o personagem K.

Ao longo de sua trajetória, K descobre ambientes urbanos onde vive e acaba encontrando algum sentido de suas angústias e tristezas. Marcus Alves conta que escreveu o livro como se fosse um documento antigo, encontrado na biblioteca da Universidade de Brasília (UnB), onde ele fez seu mestrado e doutorado em Sociologia.

“É um livro sobre um documento de uma vida; uma vida anônima que pode ter existido. Eu não sei. Deixo que o leitor faça suas próprias descobertas”, conta o autor. Ele explicou que, motivado por essa narrativa de memória ficcional, pensou em construir um personagem contemporâneo. “Ele se perde e se encontra entre uma vitrine e um passeio ao porto, nas avenidas da cidade que nos expõe a uma grande fantasmagoria do consumo diariamente”, revela.

A partir desse suposto documento antigo, a narrativa do livro vai apresentando o personagem e seus dilemas associados a dependência da vida urbana e lembranças familiares. A luta do personagem é para descobrir a sua própria origem e a morte prematura de sua mãe. Cheio de jogos de linguagem e citações históricas, o livro é construído por meio de uma estética artesanal – todo costurado a mão – tem edição limitada e numerada. “Cada capa foi pintada de um modo diferente e único”, lembra o autor.

Marcus Alves é mestre em Comunicação Social e Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB). Autor dos livros Cultura Rock e Arte de Massa (Ed. Diadorim), Cultura no Mercosul: uma política do discurso (Editora Plano/FAP).  Atualmente trabalha na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no Centro de Comunicação, Turismo e Artes (CCTA).