mdb

 

Os partidos começam a se preparar para as eleições municipais de 2020. E um fantasma ronda o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), pelo menos no território geopolítico da região metropolitana de João Pessoa.

Se analisarmos friamente, o cenário não é nada agradável para o partido que tem à frente o senador José Maranhão. Tomando como centro a própria capital, João Pessoa (de onde parte a ação inicial do campo político), vemos as dificuldades. Até o momento o MDB não parece ter em seus quadros uma liderança capaz de aglutinar uma candidatura forte – a não ser que o próprio Maranhão assuma essa posição.

Em Cabedelo o prefeito atual, eleito recentemente, tem capital político suficiente para buscar uma reeleição e lá o MDB não renovou suas lideranças. Em Conde, ainda que Aluísio Regis firme-se como líder histórico e sempre fiel ao MDB, a candidata do grupo dos Régis deve ser mesmo sua nora, Karla. E ela disputa com a atual prefeita a socialista Márcia Lucena. Karla segue pelo PSD, controlado hoje pelo prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues.  Aliás a filiação de Karla ao PSD será neste sábado (20) em Jacumã.

Em Santa Rita, o prefeito Panta caminha para reeleição com a presença forte de Ruy Carneiro e seu PSDB. Talvez por isso o MDB devesse dar maior atenção a cidade de Bayeux, onde Nadja Palitot tenta viabilizar uma candidatura promissora. Ela promete empenho, mas desde já enfrenta dificuldades no interior do MDB, cuja situação na região não é das melhores, pelo menos por enquanto. Pode ser que as nuvens mudem, dada a lógica ilógica da política.